Rumo às Olimpíadas

Dupla de vôlei de praia canadense treina nas areias brasileiras do Rio de Janeiro

Por Estela Cangerana e Sergio Siscaro

As boas relações entre Brasil e Canadá vão muito além do comércio exterior e da educação. No campo dos esportes, a aproximação também está rendendo frutos muito positivos, em uma abordagem muitas vezes desconhecida. Desde outubro de 2020, por exemplo, a dupla de atletas canadenses Brandie Wilkerson e Heather Bansley está treinando no Rio de Janeiro sob o comando do premiado técnico brasileiro Ricardo de Freitas, na busca por uma medalha na disputa do vôlei de praia nas Olimpíadas de Tóquio (Japão) no meio deste ano. As oportunidades abertas nesse campo, no entanto, vão muito além.

As múltiplas modalidades esportivas e habilidades de um país e de outro permitem um intercâmbio tão promissor que não apenas abre espaço para o aumento de medalhas, mas também pode apoiar o desenvolvimento do esporte, a promoção da qualidade de vida e ainda estimular o fortalecimento de marcas que se associem à esta causa.

Wilkerson e Bansley são duas das principais estrelas da Volleyball Canada (a confederação canadense de vôlei), mas seu projeto de treinamento para as Olimpíadas ainda está aberto para patrocínio de empresas interessadas em associar seu nome à dupla de sucesso. As atletas têm se destacado no circuito mundial de praia nos últimos anos. Em 2018, foram consideradas a dupla nº 1 do mundo, com medalhas de ouro em campeonatos realizados em Varsóvia (Polônia), Las Vegas (EUA) e Chetumal (México).

Individualmente, elas também têm deixado sua marca: enquanto Wilkerson foi considerada a melhor bloqueadora pela Federação Internacional de Vôlei de Praia em 2018, Bansley foi eleita a melhor defensora em 2015, 2016 e 2018. Ambas estão se preparando no Centro de Treinamento do Leblon, no Rio de Janeiro.

A relação delas com o Brasil não é à toa e seu projeto no país só intensifica a intenção de obter os melhores resultados em Tóquio. O Brasil é reconhecidamente um dos países de maior tradição no vôlei de praia e uma das grandes potências do esporte mundial na categoria. O treinador da dupla canadense, Ricardo de Freitas, é uma referência brasileira, famoso por seus muitos títulos, como o Campeonato Brasileiro (em 2013, 2014 e 2019), o Sul-Americano (2012), o Circuito Mundial (2015) e o Campeonato Mundial (2015), além da medalha de prata nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (2016), treinando a dupla formada por Ágatha Bednarczuk e Bárbara Seixas.

Oportunidades nas duas vias

Mas, se o Brasil pode ser visto como o porto seguro para o aprimoramento das atletas canadenses de vôlei de praia, o Canadá também pode ser uma excelente oportunidade de desenvolvimento para atletas brasileiros de outras modalidades, inclusive para aqueles em estágio mais inicial e que desejam ter no país a base para a evolução da sua carreira.

Espaço para isso não falta e até mesmo já há condições estabelecidas que facilitam a ida dos atletas, como o programa do governo canadense que permite um visto com modalidade especial para esses profissionais, conforme explica o advogado Marc-André Séguin, sócio do escritório especializado em imigração Exeo Attorneys.

Ele se refere ao Canadian Federal Self-Employed Program for Artists and Athletes, programa do governo canadense que possibilita a atletas e artistas autônomos a obtenção do visto de residência permanente no país. Com isso, é possível se estabelecer e obter quase todas as vantagens de um cidadão canadense, incluindo o acesso aos direitos e benefícios desfrutados pela população, e a possibilidade de ingresso no sistema de educação do país.

Para serem elegíveis, os interessados devem ter experiência de pelo menos dois anos como atletas autônomos, ou dois anos de participação em competições de nível mundial, ou uma combinação dessas duas possibilidades (um ano de cada ou mais), entre outros requisitos de língua, idade e formação.

De acordo com o especialista, esse tipo de visto ainda é pouco explorado, muitas vezes por desconhecimento dos potenciais candidatos. As facilidades que ele permite, porém, podem ser um primeiro passo para o desenvolvimento de futuros atletas olímpicos.

Para saber mais:

Informações sobre possibilidades de patrocínio das atletas canadenses de vôlei de praia no Brasil: [email protected]

Informações sobre as possibilidades de vistos de imigração para atletas: Exeo Attorneys.

Conheça também o
X