Protagonismo do associado em primeiro lugar

 

Primeiros meses da gestão 2021-2023 da CCBC mostram foco no fortalecimento das ações de promoção a novos negócios e na realização de parcerias

Por Sérgio Siscaro

Em seus primeiros oito meses no comando da Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CCBC), a administração iniciada em maio de 2021 promoveu um modelo voltado à valorização dos associados – conferindo-lhes mais voz nos assuntos da Câmara e fortalecendo a atuação da entidade na promoção de iniciativas que trouxessem mais oportunidades de negócios. E isso em meio ao segundo ano da pandemia da Covid-19, que limitou os contatos presenciais e manteve incertezas com relação à retomada dos negócios. O presidente da CCBC, Ronaldo Ramos, que encabeça a gestão 2021-2023 com a colaboração de um comitê de vice-presidentes de alto nível, falou à Newsletter CCBC sobre os resultados obtidos nesses primeiros meses da administração. A seguir, trechos da entrevista:

Newsletter CCBC: Como avalia os primeiros meses de sua gestão?

Ronaldo Ramos: Buscamos estruturar novos produtos e serviços, oferecendo mais oportunidades que possibilitassem reforçar o protagonismo de nossos associados nos eventos e atividades da Câmara – como, por exemplo, aquelas promovidas pelas diversas comissões setoriais. Além disso, temos tido um foco maior na captação de receitas adicionais, por meio de parcerias e patrocínios. Outro ponto importante foi a organização de missões, rodadas de negócios e eventos de grande porte entre Brasil e Canadá – sempre com o apoio de tecnologias virtuais. Com isso, mesmo sob as restrições trazidas pela pandemia da Covid-19, conseguimos manter ativa a geração de negócios entre os dois países.

Newsletter CCBC: Que medidas têm sido adotadas para fortalecer a atuação da Câmara?

Ronaldo Ramos: Um ponto a se ressaltar é o esforço interno feito no sentido de fortalecer nossos canais de comunicação, divulgando com transparência nossa atuação – tanto para os associados quanto para a sociedade em geral. Também reforçamos nossa estrutura de governança, e, neste sentido, estamos adotando em nossa gestão administrativa um foco mais voltado à disciplina orçamentária.

Também merece ser lembrada a criação de duas novas comissões, estabelecidas no ano passado. Elas contribuem para expandir a área de atuação da CCBC e, ao mesmo tempo, fortalecer as demais comissões – afinal, há diversos temas que são comuns a vários setores. Uma dessas comissões é a de Assuntos Financeiros, criada com a finalidade de ser um fórum para a troca de experiências e informações, assim como para a identificação de oportunidades de negócios. A outra, de Meio Ambiente Natural e Urbano, revela a preocupação da CCBC com a sustentabilidade, e terá como foco a disseminação de boas práticas dos dois países.

Outra medida importante é a estruturação das atividades do escritório da CCBC no Canadá, baseado em Montreal (Quebec), sob a coordenação de Michelangelo Madalena. Isto permitirá intensificar ainda mais o intercâmbio com esta importante província, aproximando suas empresas de potenciais parceiros brasileiros, e vice-versa.

Newsletter CCBC: A corrente de comércio entre Brasil e Canadá mostra uma tendência consistente de crescimento já há alguns anos. É possível dizer que, apesar da pandemia e de seus impactos sobre as viagens e os negócios, Brasil e Canadá continuem aprofundando sua relação bilateral – e que isso deva prosseguir em 2022?

Ronaldo Ramos: Sem dúvida. De acordo com os dados mais recentes, a corrente comercial entre Brasil e Canadá atingiu em 2021 a soma de US$ (FOB) 7,478 bilhões – 21,53% a mais que no ano anterior. E ainda há bastante espaço para aumentar esse intercâmbio, uma vez que o Canadá recebe apenas 1,7% das exportações totais brasileiras; e o Brasil, apenas 1,2% das vendas externas do Canadá.

A CCBC conseguiu, mesmo que de forma virtual, fomentar a interação de negócios bilaterais em diversos setores da economia – como, por exemplo, telecomunicações, construção civil, energia, infraestrutura, alimentos e bebidas, saúde e tecnologias para mineração. Ao longo de 2021, tanto o comércio entre os dois países quanto os investimentos em infraestrutura abriram diversas oportunidades para o aprofundamento das relações entre Brasil e Canadá. Tanto que a CCBC já está estruturando para 2022 diversas missões para o Canadá, em diferentes setores, a fim de contribuir para intensificar essa relação.

O Brasil também continua sendo um país interessante para o Canadá alocar investimentos. Entre 2011 e 2020, eles totalizaram US$ 129,6 bilhões, superando o equivalente de países como México e Portugal, por exemplo. Uma prova recente dessa tendência é o interesse que o setor de infraestrutura brasileiro despertou entre os fundos de investimentos canadenses no ano passado. É o caso do Ontario Teachers Pension’s Plan (OTTP), que adquiriu da gestora TPG Capital o controle da empresa Evoltz, que opera seis linhas de transmissão de energia elétrica no Brasil; e do Canada Pension Plan Investment Board (CPPIB), que assumiu o controle de 45% da Iguá Saneamento, que arrematou no final de abril um dos blocos leiloados da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae).

Newsletter CCBC: Um dos pontos anunciados no início da atual gestão foi o alinhamento da CCBC com as agendas estratégicas tanto do Brasil quanto do Canadá. De que forma isso está acontecendo?

Ronaldo Ramos: Este é, de fato, um de nossos pilares. Trabalhamos em conjunto com os consulados e a embaixada brasileira no Canadá, e com seus homólogos canadenses no Brasil, sempre voltando nosso foco para os setores prioritários da relação bilateral: atração de investimentos, infraestrutura, saúde, agronegócio, tecnologia e inovação, entre outros. Esta atuação é feita por meio de parcerias, tanto com o governo brasileiro quanto com o canadense, por meio de eventos que reúnem empresas e instituições dos dois países.

Newsletter CCBC: Ao iniciar sua gestão, o sr. destacou a importância da agenda ambiental, social e de governança (ESG, na sigla em inglês) na atuação da CCBC. Como o tema vem sendo desenvolvido pela Câmara?

Ronaldo Ramos: O Canadá é um país com uma larga experiência nessa área. E a CCBC vem sempre atuando no sentido de trazer as melhores práticas canadenses de ESG para o contexto brasileiro, mas sem deixar também de levar os nossos exemplos positivos para o Canadá. Dentro desse intercâmbio de ideias e práticas, a CCBC trabalha a agenda ESG de forma transversal, uma vez que esses temas estão presentes em todos os setores da relação bilateral entre os dois países.

No campo da diversidade, a CCBC se tornou signatária, no ano passado, dos Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs, na sigla em inglês). Trata-se de uma iniciativa do Pacto Global da ONU que tem como finalidade orientar as empresas sobre a promoção de igualdade de gênero e empoderamento das mulheres.

Newsletter CCBC: Ao longo dos últimos dois anos, o modelo de comunicação à distância, imposto pela pandemia da Covid-19, limitou a possibilidade de contatos presenciais entre empresários brasileiros e canadenses; por outro lado, a CCBC aproveitou para intensificar o uso de webinars como forma de aproximar as duas comunidades de negócios. Esse modelo deverá continuar, mesmo com o esperado recuo da pandemia em 2022?

Ronaldo Ramos: Esse modelo se mostrou positivo – o que ficou evidente nas missões, rodadas de negócios e eventos virtuais promovidos pela Câmara ao longo desse período. Imaginamos para este ano a adoção de um modelo híbrido: algumas atividades deverão ser realizadas de forma presencial, mas manteremos também o uso de ferramentas virtuais para a comunicação à distância. Desta forma, poderemos levar aos associados as vantagens oferecidas pelos dois formatos.

Newsletter CCBC: O que os associados da CCBC podem esperar para 2022?

Ronaldo Ramos: Podem esperar a continuidade de uma estratégia voltada sempre à geração de negócios, com resultados cada vez melhores para nossos associados. Uma das iniciativas desenvolvidas com essa finalidade é o Canada Hub, lançado no final do ano passado. Trata-se de um programa de soft landing, que tem o objetivo de prestar apoio às empresas canadenses que queiram abrir um negócio aqui no Brasil. Nós oferecemos todo o ambiente necessário para que a empresa possa se estabelecer aqui, cumprindo todas as obrigações burocráticas, otimizando custos, e contando ainda com o apoio da CCBC para o desenvolvimento de negócios junto a parceiros e clientes. Para 2022, estamos desenvolvendo uma plataforma similar, mas no sentido inverso: o Brasil Hub, que terá como finalidade o apoio às empresas brasileiras que queiram se estabelecer no Canadá.

Newsletter CCBC: Algum comentário ou mensagem final?

Ronaldo Ramos: Eu gostaria de deixar registrados meus agradecimentos ao comitê executivo de vice-presidentes da CCBC, formado por profissionais de alto nível que tem contribuído de forma crucial nesta nossa jornada – afinal, sozinho não se chega a lugar nenhum! E também gostaria de registrar o agradecimento ao time de colaboradores da CCBC (sem vocês, nada teria acontecido), bem como o de nossos colegas diplomatas dos dois países. É por meio da troca de ideias e da colaboração entre todos que conseguiremos levar a história de sucesso da Câmara adiante, fortalecendo a posição da entidade como uma referência em seu setor.

X