Rota alternativa no Canadá vive expansão de US$ 205 milhões

A cidade de Saint John, em Newbrunswick, no Canadá, passa pelo menos seis meses por ano com neve e temperatura média abaixo dos 10 graus. Quando o assunto é economia, porém, o cenário aquece. A cidade é impulsionada pelo turismo e por seu tradicional porto, que está em expansão e é o terceiro maior em volume transportado no país. O porto de Saint John também representa uma excelente alternativa para empresas que realizam comércio entre Brasil e Canadá, pois fica mais próximo da América Latina do que, por exemplo, o porto de Montreal.

 

A administração do porto de Saint John identificou o Brasil, ao lado do México, como um dos parceiros mais promissores do continente para o desenvolvimento de seus projetos logísticos. E foi assim que a CCBC entrou no mapa de relacionamento dos executivos canadenses. “A gente procurou a Câmara justamente por ser uma referência conhecida de negócios com o Canadá”, ressalta John Kirkup, consultor responsável por promover a aproximação entre os dois mercados.

 

Desse relacionamento com a Câmara surgiram oportunidades. Na primeira semana de dezembro, o porto recebeu uma missão de exportadores brasileiros. Foram realizados também dois encontros com potenciais parceiros do porto na sede da CCBC, em setembro e novembro, com transmissão ao vivo em formato de webinar para o Canadá. A relação do país com o Brasil ganhou novo impulso a partir do avanço das conversas entre o governo canadense e o Mercosul para a criação de uma área de livre comércio.

 

O próximo seminário da série batizada de “Novas Fronteiras” está previsto para fevereiro de 2019 e vai continuar a destacar as vantagens do comércio bilateral e da região de Newbrunswick como rota de importação e exportação.

 

A cidade de Saint John abriga a sede da Irwing, maior refinaria do país. Não à toa o produto mais embarcado no porto é combustível, seguido de potássio fertilizante, usado na agricultura. Na mesma região, com farta infraestrutura de estradas e linhas férreas, há unidades da McCain Foods, maior produtor de batata congelada do mundo, incluindo batatas fritas; e da True North Seafood, o quarto maior produtor mundial de salmão. Entre as indústrias de destaque em New Brunswick estão as de alimentos e bebidas, petróleo e energia, cybersecurity, serviços financeiros e fintechs.

 

Porto passa por ampliação de US$ 205 milhões

 

A 100 quilômetros da fronteira dos EUA, o porto também atende ao mercado americano, sem que as embarcações enfrentem problemas de congelamento das águas. A cada 12 meses, passam por Saint John mais de 800 navios e, em quatro anos, houve um crescimento nas atividades do porto com a atração de algumas das maiores empresas de transporte por contêiner do planeta, como Mediterranean Shipping Company (MSC) e CMA CGM.

 

A partir da injeção de US$ 205 milhões que vem sendo realizada, o comprimento do cais, onde o navio atraca, passará de 320 metros para 720 metros, permitindo a passagem de embarcações ainda maiores. Saint John, que tem conexão com 500 portos no mundo inteiro, mais do que dobrará sua capacidade de transferência de mercadorias – total do que embarca e desembarca. A previsão é que as obras terminem em 2023.

Conheça também o
X