Escritório atua em algumas das principais causas da história do país

Na primeira página de seu site, o IWRCF Advogados se apresenta como um escritório com “serviços sofisticados e inovadores em advocacia”. Mas como alcançar a inovação em um serviço tão tradicional? Nas palavras do sócio Ricardo Inglez de Souza, uma das maiores referências em concorrência e comércio internacional no Brasil – de acordo com a publicação Chambers and Partners –, o escritório evita o que ele chama de “commodities do Direito”.

 

“Em vez de casos comuns e massificados, como contratos de adesão ou ações repetitivas, preferimos focar em processos mais estratégicos”, diz. E isso tem dado certo. No currículo do IWRCF há casos de relevo em todas as suas áreas de especialidade. Em especial as áreas de direito concorrencial, contencioso cível, legal marketing, tributária e trabalhista marcaram presença em casos marcantes para a história recente do país.

 

O escritório cuida, por exemplo, de processos relacionados às operações Zelotes e Lava Jato e às investigações sobre formação de cartel em licitação para as obras do metrô de São Paulo. Outro destaque é a investigação aberta em março deste ano pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), contra cinco dos maiores bancos brasileiros, acusados de práticas restritivas à livre concorrência no mercado financeiro. O IWRCF representa a fintech Nubank, que apresentou as acusações que deram início ao caso.

 

“Somos business oriented e nossa maneira de trabalhar nos permite estar mais próximos de quem nos contrata”, avalia Ricardo. Os advogados do escritório já estiveram inclusive em países como EUA, Japão e México para conhecer em maior profundidade os negócios dos clientes.

 

Polêmica no Dia dos Namorados

 

Um dos casos mais famosos que contou com a atuação dos advogados do IWRCF foi a campanha da rede O Boticário para o Dia dos Namorados de 2015. Na ocasião, a marca exibiu um vídeo com casais trocando presentes, entre eles homossexuais. O teor da peça gerou mais de 20 reclamações no Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar). O escritório atuou na defesa da propaganda criada pela agência AlmapBBDO e conseguiu manter o comercial no ar. O próprio Conar também já contratou o IWRCF quando a entidade teve uma de suas campanhas institucionais questionadas pelo público.

 

Na CCBC, a direção do escritório visa realizar networking, aumentar a visibilidade de seu trabalho e ganhar acesso direto a novidades do setor. O IWRCF possui clientes brasileiros com negócios no Canadá e também clientes canadenses, além de ter a maioria dos casos de arbitragens encaminhados ao CAM-CCBC. Entre os próximos projetos com a Câmara estão a assinatura de um artigo em conjunto com o escritório McCarthy Tétrault LLP, para o projeto de Direito Comparado, e a participação do advogado Fábio Ramos, da área tributária, na programação do Podcast.

Conheça também o
X