CCBC retorna à Exposibram

Retorno de feira ao modelo presencial dá continuidade ao papel da Câmara de aproximar empresas brasileiras e canadenses


Por Sérgio Siscaro

Considerada uma das maiores exposições de mineração da América Latina, a Expo & Congresso Brasileiro de Mineração (Exposibram), que aconteceu entre 12 e 15 de setembro em Belo Horizonte (MG), trouxe o retorno ao formato presencial após três anos. E também marcou o início das atividades do escritório regional da Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CCBC) na capital mineira.

A Exposibram é organizada pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), e reúne os players da cadeia produtiva da mineração –mineradoras, fabricantes fornecedores de máquinas, equipamentos e serviços, e instituições de pesquisa e universidades, além de delegações empresariais e governamentais de diversos países. Na visão da CCBC, trata-se de uma oportunidade única para aproximar empresas do Brasil e do Canadá para troca de experiências, contatos comerciais e eventualmente parcerias de negócios.

Encontros e visitas

De acordo com a coordenadora de Desenvolvimento de Negócios da CCBC, Elisa Nolli, a participação da Câmara no evento se deu de duas formas: uma parceria com o governo federal do Canadá, por meio do consulado, para a organização de eventos em conjunto; e a prestação de um serviço de promoção de matchmaking entre empresas brasileiras e canadenses para o Escritório do Quebec em São Paulo. Treze empresas brasileiras e seis do Quebec participaram desses encontros – que totalizaram 20 reuniões ao longo do período de realização da feira.

De acordo com o assessor para assuntos econômicos do Escritório do Quebec em São Paulo, João Collet, a participação na Exposibram foi bastante positiva. “O Escritório do Quebec em São Paulo orgulha-se em ter apoiado a participação de sete empresas quebequenses para o evento.  Eram empresas de diferentes subsetores da mineração, de diferentes tamanhos e diferentes estágios de presença no Brasil. Mas todas elas estavam extremamente interessadas em realizar negócios no mercado brasileiro de mineração, cheio de desafios e oportunidades”, afirma.

Ele ressaltou o fato de que o Quebec teve o maior número de companhias na delegação canadense. “Foi muito bom notar que os players brasileiros também estavam interessados em se encontrar com as empresas do Quebec. Foi excelente poder contar com o trabalho da CCBC para facilitar a organização desses encontros de negócios”, finaliza.

Do ponto de vista institucional, a CCBC participou de eventos em conjunto com o Consulado do Canadá, organizados com o governo federal canadense. Essa parceria possibilitou visitas aos escritórios da mineradora Vale em Belo Horizonte, além de uma mina da Jaguar Mining.

Percepção positiva

Uma das empresas que participou da rodada de reuniões realizadas pelo Escritório do Quebec em São Paulo foi a canadense Optel, que buscou na Exposibram uma maior exposição ao setor de mineração no Brasil. “Há alguns anos começamos a entrar nesse segmento no Canadá, e agora estamos iniciando o ingresso no mercado brasileiro, onde ainda somos desconhecidos. Por esta razão, a iniciativa da CCBC, do Escritório do Quebec em São Paulo e do governo federal canadense foi essencial para que pudéssemos fazer contatos”, avalia o diretor de vendas da empresa para a América Latina, Giancarlo Fusaro. “Os encontros B2B foram bastante proveitosos, e estamos dando sequência a uma série de leads que criamos na feira.”

Entre as tecnologias desenvolvidas pela empresa para o setor de mineração estão aquelas voltadas à rastreabilidade de quaisquer itens, como insumos e ativos. Segundo Fusaro, despertou bastante interesse na Exposibram a solução da Optel que permite o monitoramento nas emissões de CO2 – algo bastante estratégico neste momento em que o setor minerador brasileiro está sendo levado pelo mercado a adotar critérios ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês).

X