Evento debate oportunidades comerciais entre Brasil e Canadá

Edição mais recente do Encontro de Comércio Exterior da CCBC abordou também os resultados da missão de empresários brasileiros à Sial, em abril


Por Sérgio Siscaro

Em 2021, uma das conclusões dos participantes da terceira edição do Encontro Brasil-Canadá de Comércio Exterior foi o de que o intercâmbio bilateral entre Brasil e Canadá oferecia bastante espaço de expansão. Um ano depois, essas perspectivas parecem se confirmar, com a corrente comercial dos dois países subindo cerca de 22% e atingindo US$ (FOB) 7,478 bilhões. E é diante dessa perspectiva favorável que a Câmara de Comércio Brasil-Canadá realizou no final de maio o 4º Encontro Brasil-Canadá de Comércio Exterior para discutir as oportunidades abertas pelo incremento das relações entre os dois países. 

O reconhecimento desse avanço foi comemorado durante o evento pelo embaixador do Brasil no Canadá, Pedro Henrique Lopes Bório. “A relação se encontra em um nível excepcional de maturidade. E é muito sólida, sendo que o Canadá já atua como parceiro de investimentos no Brasil há mais de cem anos”, disse. O diplomata ressaltou o potencial de parcerias entre os dois países para a produção de fertilizantes, lembrou o recente acordo para expandir as exportações brasileiras de carne ao Canadá e afirmou ser otimista com relação à conclusão do acordo comercial entre o Canadá e os países do Mercosul.  

“As negociações estão sendo retomadas agora. O acordo deverá ter bases modernas, que incluam com muita solidez aspectos sociais – inclusive aqueles ligados a temas nos quais o Canadá tem muito pioneirismo, como as relações com os povos originários. Estamos convencidos de que é possível atingir um bom resultado técnico em um horizonte de tempo razoável”, afirmou. O embaixador também anunciou estar praticamente concluído um acordo de defesa entre os dois países, que inclui a venda, pela Embraer, de 80 aeronaves E195-E2 da Embraer para a canadense Porter Airlines. O negócio, que inclui a produção de componentes em Quebec, é estimado em US$ 5,82 bilhões. 

Novamente presente ao Encontro de Comércio Exterior, a conselheira comercial e econômica da embaixada do Canadá no Brasil, Bonny Berger, também destacou o longo relacionamento entre os dois países e ressaltou as possibilidades de complementaridade entre as duas economias – como no caso da produção de alimentos e fertilizantes. “A conjuntura atual, marcada pelos impactos da pandemia e da guerra na Ucrânia, oferece uma oportunidade singular para ampliar e fortalecer nossas relações bilaterais – especialmente na área de segurança alimentar.”  

Ela também salientou o andamento das negociações do acordo entre Mercosul e Canadá, bem como a participação conjunta de Brasil e Canadá em instâncias internacionais, como o G-20, a Organização dos Estados Americanos (OEA), o Grupo de Lima e a última edição da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-26). 

De volta da Sial 

Um dos destaques da quarta edição do Encontro Brasil-Canadá de Comércio Exterior da CCBC foi o relato sobre a participação de um grupo de empresários brasileiros ao Salon International de l’Alimentation (Sial), realizado entre 20 e 22 de abril no Palais dês Congrès, em Montreal, em missão organizada pela Câmara.  

Além de poderem apresentar seus produtos no estande institucional da CCBC na Sial, os participantes tiveram a oportunidade de passar por uma verdadeira imersão no mercado canadense de alimentos e bebidas – incluindo reuniões com potenciais parceiros comerciais canadenses e visitas a pontos de venda, agendados pela Câmara.  

Também foram realizados jantares para convidados VIP, nos quais os canadenses puderam experimentar de perto os sabores brasileiros. E a iniciativa parece ter atingido em cheio o paladar dos participantes: representantes da imprensa local publicaram suas impressões positivas sobre os pratos preparados pela chef Mariana Valentini, contribuindo assim para estabelecer uma percepção favorável aos ingredientes brasileiros em território canadense. 

Durante o Encontro Brasil-Canadá de Comércio Exterior a assistente comercial da Concepta Ingredients, Vanessa Geraldi Bonesso, o diretor comercial da GeneSeas, Gabriel Pires, e o diretor-executivo da Samba Fruits, Etienne Beauregard, puderam falar um pouco de suas bem-sucedidas experiências ao participarem da missão da CCBC à Sial.  

Oportunidades comerciais 

O evento também reuniu representantes de associações que representam setores da economia brasileira com grande potencial de inserção no mercado canadense. Em painel mediado pelo vice-presidente de Comércio Exterior da CCBC, Fernando Marques, participaram a responsável pelo departamento internacional da Associação Brasileira das Indústrias de Móveis de Alta Decoração (Abimad), Joelma Silva; o diretor internacional da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães e Bolos Industrializados (Abimapi), Rodrigo Iglesias; e a gerente de negócios internacionais da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), Gueisa Silvério. Em comum, os três avaliaram que o mercado canadense oferece oportunidades bastante interessantes para os exportadores brasileiros – desde que estes busquem estudar o mercado de antemão, a fim de que seja estabelecido o plano de negócios mais adequado para suas operações.  

A respeito desse ponto, o 4º Encontro Brasil-Canadá de Comércio Exterior também divulgou as possibilidades oferecidas pela CCBC para as empresas que avaliam uma atuação no Canadá.  “Muitas vezes as empresas têm dúvidas sobre se seu produto teria aceitação no mercado canadense. Na CCBC, dispomos de uma área específica de inteligência de mercado, que faz uma pesquisa preliminar, para ver se o Canadá seria um potencial interessado em determinado produto ou serviço. Em caso positivo, comunicados à empresa interessada e buscamos identificar as melhores estratégias para atender a esse mercado”, afirmou na ocasião o diretor de Relações Institucionais da CCBC, Paulo de Castro Reis. 

Ele acrescentou ainda a importância de orientar as empresas com relação à narrativa que utilizarão para comercializar seu produto no Canadá – de preferência comunicando ao potencial consumidor informações sobre o contexto em que é feita sua produção, bem como a adesão da empresa a políticas de responsabilidade socioambiental. “Antes de comprar um produto, o canadense compra uma história. Esses pontos são importantes para elevar as oportunidades de sucesso naquele mercado.” Castro mencionou ainda o Brasil Hub, iniciativa recente da CCBC que possibilita apoiar empresas brasileiras que queiram se internacionalizar seus negócios no Canadá.  

X