De cacau a startups, as viagens para promover a relação Brasil x Canadá

Maior evento do mercado de chocolate de origem do Brasil, o Chocolat Bahia 2019 foi realizado em um Centro de Convenções a cerca de 10 minutos a pé do Bar Vesúvio, em Ilhéus (BA). No famoso reduto citado na obra de Jorge Amado, Gabriela preparava seus pratos deliciosos para a clientela do árabe Nacib. Só que nas páginas da CCBC o protagonista da história é outro: o “fruto dos deuses”, como o cientista sueco Carl Von Linnaeus apelidou o cacau, em homenagem às culturas que consideravam o alimento um presente das divindades.

Da mesma forma como a amêndoa desse azedinho fruto se transforma no mais irresistível dos chocolates, a CCBC vem trabalhando sua rede de contatos para fazer do cacau brasileiro um produto ainda mais atraente para o mercado canadense. O momento no país é animador. De acordo com números divulgados pelo Jornal Valor Econômico, em 2018 foram colhidas nas lavouras baianas 125,2 mil toneladas de cacau, ou 26% a mais que o ano anterior. A receita da atividade no estado cresceu 70% no período, alcançando R$ 1,2 bilhão.

Outro estado com grande produção de cacau é o Pará, onde uma equipe comercial da CCBC esteve no ano passado. O crescimento no volume colhido de cacau em terras paraenses foi de 14,9% na comparação 2018-2017.

Este ano a visita ao Chocolat Bahia ficou marcada pelo painel “Oportunidades para o cacau brasileiro no mercado canadense”, com palestra proferida pelo diretor de relações institucionais da CCBC, Paulo de Castro Reis.

Vem nova missão internacional por aí

Além da participação nesse que é conhecido como o Festival Internacional do Chocolate e Cacau, a equipe da CCBC visitou fazendas e indústrias para conhecer toda a cadeia produtiva do chocolate. Na programação, encontros com produtores de cacau e fabricantes de chocolate. “O plano é organizar uma missão específica desses setores para a próxima edição da Sial”, revelou Armínio Calonga, da área de Business Development da Câmara, em referência à tradicional feira internacional de alimentos que ocorrerá em Montreal, em abril de 2020.

Depois de Ilhéus, a parada foi em Cuiabá, onde Armínio participou de uma rodada de negócios organizada pelo Sebrae de Mato Grosso. A equipe da CCBC se encontrou com empresas que oferecem produtos com grande potencial de exportação para o mercado canadense, como pescados, frutas, polpas e produtos acabados. Além dessa aproximação, houve um contato com os diretores das subsedes regionais do Sebrae. “Isso foi importante pois esses diretores conhecem como poucos as demandas dos empresários locais”, explicou Armínio.

A visita da CCBC a diversas cidades mostra que a atuação da instituição, no Brasil, ultrapassa as fronteiras da capital paulista. “Nossa abrangência é internacional. Estamos presentes tanto no Canadá quanto em diferentes cidades brasileiras. Realizamos e apoiamos eventos, promovemos novos negócios. O nosso associado é muito bem atendido em todas as regiões”, destaca Paulo de Castro Reis.

Doce como o sucesso de uma startup

Gramado também é conhecida pelo chocolate, mas desta vez a passagem da CCBC pela cidade não teve a ver com o tema. O motivo da visita foi o Gramado Summit, evento autointitulado “o maior brainstorm do Brasil”, em agosto. A presença no encontro possibilitou um maior contato com o ecossistema de inovação da Serra Gaúcha. “Tem muitas novidades locais e muitos grupos de organizando para fomentar esse ecossistema”, aponta Armínio.

O Gramado Summit foi realizado durante três dias e teve entre seus palestrantes o apresentador Serginho Groisman; a executiva de vendas da Microsoft, Lisiane Lemos; e o fundador do Vivino, Heini Zachariassen, sócio do aplicativo que é a maior rede online de vinhos do mundo. Foram mais de 100 empresas reunidas, 120 palestrantes e 4 mil visitantes por dia.

A parceria com o Gramado Summit possibilitou a participação da CCBC com um estande no evento e prevê a ida de um dos organizadores do encontro a um evento de tecnologia em Toronto, além de visitas a polos de tecnologia no Canadá. Tudo organizado pela CCBC.

Conheça também o
X