Oportunidades comerciais no setor de móveis

Canadá é grande produtor, mas ainda importa cerca de metade de sua demanda no segmento moveleiro

Por Sérgio Siscaro

As oportunidades de intercâmbio comercial entre Brasil e Canadá são bastante variadas, abrangendo diversos setores e ramos de atividades – mas nem sempre são devidamente exploradas pelos dois países. Uma dessas possibilidades é o mercado de móveis do Canadá. Ocupando atualmente a 11ª posição entre os maiores mercados moveleiros do mundo, o país registrou vendas de US$ 28 bilhões em 2020.

O país é um grande fabricante de móveis – essa indústria contribuiu com CAD 4 bilhões para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 – mas também é um grande importador desses produtos. O mercado é dominado por empresas estrangeiras, e as compras internacionais do setor moveleiro representaram 50,5% do total em 2020. A China tem sido um dos principais fornecedores de móveis para o país.

Extremamente pulverizado, o mercado canadense é formado majoritariamente por pequenas e médias empresas familiares – que enfrentam desafios com altos custos de transporte e mão de obra, tornando-os, muitas vezes, menos competitivos do que empresas de outros países.

O dinamismo do setor ficou evidenciado no último ano. Em razão da pandemia do novo coronavírus, pessoas em todo o mundo passaram mais tempo em casa, a fim de evitar a contaminação; assim, a construção de um ambiente mais agradável em casa levou à aceleração na taxa de crescimento nas vendas de móveis. No caso do mercado canadense, esta tendência levou à maior expansão em 12 anos – com ênfase também na demanda por móveis para escritórios domésticos, impulsionada pela presença cada vez maior de empresas que possibilitam a seus colaboradores trabalharem em regime de home office.

Presença brasileira

Há considerável espaço para o ingresso de outros players internacionais no mercado canadense – e o Brasil pode ser um deles. Atualmente, o país ainda apresenta um intercâmbio tímido com o Canadá no setor moveleiro, mas vem aos poucos conquistando posições na relação de principais fornecedores.

Nas importações canadenses de outros móveis e suas partes (categoria que inclui aqueles destinados a escritórios, cozinhas e quartos de dormir, de madeira ou de metal, entre outros), o Brasil ocupou em 2020 a 13ª posição, com exportações de US$ (FOB) 27,9 milhões. Este valor ainda está bastante distante daqueles dos dois principais exportadores, que são China, com US$ (FOB) 1,09 bilhão, e Estados Unidos, com US$ 596,35 milhões, mas mostra potencial de crescimento naquele mercado.

Analisando-se esses dados mais a fundo, verifica-se um crescimento considerável nas vendas brasileiras enquadradas na categoria de outros móveis feitos de madeira – que passaram de US$ (FOB) 1,46 milhão em 2016 para US$ (FOB) 9,5 milhões em 2020 – uma expansão de 550%. Isto torna o Brasil o 15º maior exportador desse tipo de produto ao mercado canadense.

Mercado exigente

Assim como ocorre em outros segmentos do mercado canadense, o de móveis se caracteriza por fatores derivados da elevada consciência do consumidor com relação a temas ligados à sustentabilidade social e ambiental. Ou seja, trata-se de um público bastante atento à origem dos itens que consome, e às condições pelas quais este foi produzido. Há também uma preferência por móveis em madeira: o estudo Canada Home Furniture Market já indicava, em 2019, que esse material ocupava 30% do mobiliário doméstico do país.

Outra tendência observada no mercado de móveis do Canadá inclui o uso intenso do e-commerce – dados da Statistics Canada indicam que as vendas de comércio eletrônico atingiram US$ 3,9 bilhões em maio de 2020, um aumento de 99,3% com relação ao mês de fevereiro do mesmo ano. Nesse sentido, fabricantes que disponibilizam o máximo de informações na internet podem ter uma vantagem competitiva, posicionando seus produtos de forma mais favorável perante os exigentes consumidores canadenses.

Há também especificações técnicas às quais o potencial exportador brasileiro deve estar atento. A lei canadense que regula a segurança de produtos é a Canada Consumer Product Safety Act (CCPSA); assim, tanto importadores de móveis quanto fabricantes precisam garantir o cumprimento dos requisitos de segurança fixados na legislação. Em termos gerais, os pontos de maior atenção são riscos mecânicos, químicos ou de flamabilidade nos produtos, havendo ainda normas específicas para móveis destinados a crianças, rotulagem e testagem, entre outros.

Conheça também o
X