Canada Day: festa virtual aproxima país dos brasileiros

Festival da CCBC promoveu 25 eventos, que reuniram 66 palestrantes ao longo de cinco dias, e que discutiram temas como educação, diversidade, inovação e cultura

Por Sérgio Siscaro

O Primeiro de Julho é uma data especial para o Canadá. É nesse dia que se comemora o Canada Day, que marca o aniversário da formação inicial do país, em 1867. Como todos os anos, a Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CCBC) aproveitou a ocasião para promover um festival de cinco dias, no qual uma série de eventos abordou temas relevantes para a relação Brasil-Canadá – como educação, diversidade, inovação, empreendedorismo, turismo e cultura. Devido à pandemia do novo coronavírus, as iniciativas foram realizadas online – mas isso não afetou a variedade dos conteúdos compartilhados, ou dos debates promovidos entre 1 e 5 de julho.

Organizado em quatro eixos temáticos principais (educação, diversidade, inovação e cultura), o Canada Day CCBC Online Festival reuniu 66 palestrantes em 25 eventos, realizados com a colaboração de 32 parceiros, o apoio do governo do Canadá e o patrocínio da Air Canada. Ao todo, os participantes tiveram acesso a mais de 200 conteúdos culturais abordando arte, educação, gastronomia, tours virtuais, música, educação e curiosidades em geral – tudo disponível em português, inglês e francês. Foram ainda divulgados 40 roteiros turísticos abrangendo todas as regiões do Canadá (confira abaixo a programação de eventos do festival). Um website especial concentrou diversos conteúdos adicionais, como filmes, documentários, eventos esportivos e muito mais – além de trazer curiosidades sobre o Canadá. Todos esses vídeos, assim como as apresentações do festival, continuarão disponíveis na internet, permitindo a quem não pôde acompanhar ao vivo conferir as palestras em sua totalidade.

Com mais de mil inscritos e 4 mil visitantes, a iniciativa da CCBC foi um sucesso. “Ficamos muito felizes com a repercussão desse evento. O apoio dos 66 palestrantes, do governo canadense e de diversos parceiros foi muito importante, assim como de nossa patrocinadora, a Air Canada, e de todos os colaboradores da CCBC”, afirmou o diretor de Relações Institucionais da CCBC, Paulo de Castro Reis. O festival recebeu ainda o reconhecimento do website oficial do Canada Day 2020, na seção “Around the World”.

A data também foi objeto de comemorações oficiais do governo canadense no Brasil. Em 30 de junho, o início das atividades foi marcado pela iluminação do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, com as cores da bandeira canadense. E em 2 de julho, foram lançadas duas iniciativas de cooperação entre Brasil e Canadá para combater a disseminação da Covid-19: uma é voltada à garantia da segurança alimentar de comunidades em situação de vulnerabilidade social no Rio de Janeiro, e outra à oferta de serviços online para mulheres vítimas de agressão doméstica.

 

Educação, turismo e diversidade

Na manhã de 1º de julho (quarta-feira) foi promovida uma roda de discussão na qual representantes da Alumni Canada Brasil abordaram a cultura canadense de voluntariado e seu papel influenciador na educação. Participaram a presidente Jéssica Sbroglia; a diretora de Relações Institucionais e Parcerias, Claire Lagier; e as vice-diretoras de Comunicação e Mídia Social, Natalia Kirsch Koff e Janyne Leonardi.

A seguir foi realizada uma apresentação da Air Canada sobre as potencialidades de cidades da Costa Leste do Canadá, como Toronto, Ottawa e Montreal. O evento reuniu o gerente regional, Fernando Alves da Silva; a executiva de contas, Sandra Passetto; e o diretor de aeroporto Evaristo Oliveira. Também participou a fundadora da Vertebratta, Sheila Nassar.

O exemplo canadense de compromisso com a diversidade foi o objetivo da apresentação seguinte, na qual a cônsul e chefe do setor comercial do Canadá no Brasil e co-coordenadora da Comissão de Diversidade da CCBC, Elise Racicot, entrevistou quatro convidados brasileiros, que moram no Canadá, sobre o tema: Arnon Melo (MELLOHAWK Logistics), Jamile Cruz (I&D 101), Nicole Orsi Barioni (Immigrant and International Women in Science) e Carolina Hack (GC5).

A atuação bem-sucedida de pesquisadores brasileiros no Canadá foi analisada a seguir, em painel com a participação de Nathália Batista (University of Toronto), Daniel Holanda (University of British Columbia), Jéssica Sbroglia (Alumni Canada Brasil) e Daniel Rodrigues (Université Laval).

No final do dia foi promovido um coquetel virtual para o lançamento do Canada Day CCBC Online Festival, com a presença da embaixadora do Canadá no Brasil, Jennifer May, e do embaixador do Brasil no Canadá, Pedro Henrique Lopes Borio. Participaram também Heather Cameron e Evelyne Coulombe (Consulado-Geral do Canadá), Pedro Miguel da Costa e Silva (secretário de Negociações Bilaterais e Regionais nas Américas), Affonso Massot (secretário-executivo de Relações Internacionais), Giancarlo Takegawa (Air Canada), Paulo Perrotti e Paulo de Castro Reis (CCBC).

 

Oportunidades de negócios

No dia 2 (quinta-feira), outra série de eventos abordou a potencialidade do Canadá como destino de negócios e polo tecnológico. O primeiro evento, apresentado por Eliza Fiuza e Laurence Fouquette-L’Anglais (Montréal International) e Thais Aun (Québec em São Paulo), mostrou como a região metropolitana da Grande Montreal tem se tornado um destaque em termos de inovação e desenvolvimento de tecnologias de ponta. Na sequência, Elsa Bruyère e Marie-André Roger (Fabrique_A), Emmanuel Cameron (Continuums) e Vincent Dussault (Fabmob) discorreram sobre as oportunidades de negócios em Quebec. Já a posição de destaque de Montreal dentre as cidades universitárias do continente foi demonstrada por Carine Berteli Cardoso (Université de Montréal) e Eugénie Bergeron-Côté (Montreal International).

Na parte da tarde, o foco foi voltado para setores específicos da economia – e as oportunidades que eles oferecem.  O crescente espaço ocupado pelas mulheres no setor de mineração no Canadá foi discutido em um painel que trouxe como participantes Evelyne Coulombe (Consulado-Geral do Canadá), Ana Cunha (Kinross), Maria da Graça Montalvão e Wilson Borges (Lundin Mining) e Natália Leoni Sobral (Largo Resources). O segmento dos vinhos premium e o renomado Icewine canadense, produzidos em Ontário, foi mostrado a seguir por Magdalena Kaiser (VQA Wines of Ontario). Já os desafios para a internacionalização de empresas brasileiras no Canadá deram o tom do painel seguinte, conduzido por Adriano Silva e Luis Barrionuevo (Draft Canada) e Paula Nunes (Bizmatch).

 

Academia e tecnologia

No dia 3 (sexta-feira), as possibilidades abertas pela qualidade das instituições de ensino canadenses foram apresentadas por Marie-Hélène Béland, Fernanda Albano e James McNamee, do Consulado-Geral do Canadá. A seguir foi realizado um debate sobre a Collision from Home – conferência de tecnologia realizada em junho no Canadá – liderado por Heather Cameron conduzido por Elise Racicot (ambas do Consulado-Geral do Canadá). A apresentação teve ainda a participação de Carlos Eduardo Brandão (Intelliway Tecnologia), Gustavo Diniz Machado (Turbo/Ipiranga) e Paulo Roberto Fachinetti de Azevedo (Banco do Brasil).

Concluindo a programação da parte da manhã, o diretor do Centro Internacional de Pesquisa do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Álvaro Avezum Júnior, abordou um tema pouco conhecido pelo público em geral, mas de grande importância: a cooperação bilateral em pesquisa clínica, com destaque para as rotinas de pesquisa realizadas em conjunto com o instituto canadense Population Health Research Institute (PHRI).

A discussão de temas ligados a inovação e empreendedorismo prosseguiu, com a apresentação do CEO da Launch Academy, Ray Walia, que apresentou o ecossistema de inovação da Colúmbia Britânica; e a importância de se expandir o escopo das startups, abordada pela gerente de parcerias internacionais da District 3, Gisleine Silveira. A seguir, a atratividade de produtos que demonstrem diversidade étnica no mercado canadense foi discutida por Karen Sinotte (George Brown College) e Anna Christina Fleury (Dacolor Canada). O encerramento das atividades do dia contou com uma apresentação sobre o folclore canadense, conduzida pelo professor e tradutor Ed Batista.

 

Testemunhos de sucesso

No sábado (dia 4), o Canada Day CCBC Online Festival incluiu um bate-papo interativo sobre empreendedorismo feminino, com base na experiência relatada pela empresária Márcia Stipanich no Canadá, e participação do diretor de Marketing da Federation Canadian-Brazilian Businesses (FCBB), Pedro Pina. Outra roda de discussão foi promovida a seguir, abordando as escolas canadenses de Ontário, com participação de Eduardo Flit e Luciano Tavares (Canadá Com Você), Francine Teles (Canadore College), Thays Afonso (George Brown College) e Fabio Araujo (Algonquin College).

A rede educacional Maple Bear trouxe para o festival um momento de descontração familiar, no qual pais e filhos puderam conhecer a história do Canadá por meio de uma conversa, em português, entre Luiza Calceti (Maple Bear São Paulo Mooca), o mascote Bear (representado por Roberta Ambrosevicius Carrillo, da Maple Bear São Paulo Mooca) e com a apresentação de  Rafael Mangini, coordenador da Comissão de Educação da CCBC.

No domingo (dia 5), último dia do festival, mais dois eventos discutiram educação e empreendedorismo no Canadá. O primeiro, focado em bolsas de estudo, foi conduzido por Jéssica Sbroglia e Claire Lagier (Alumni Canada Brasil); o segundo, que trouxe as experiências do CEO da Beatnik & Sons, Lipsio Carvalho, de empreender no Canadá, contou com a participação do CEO da FCBB, Sergio Frias. Também nesse dia foi realizado um bate-papo mais descontraído, voltado a história do Canada Day e à origem dos símbolos do país. Em inglês, a apresentação teve como participante, via YouTube, do atleta canadense Bradley Bowden (Duas vezes medalhista de ouro paralímpico).

 

A formação de um país

A comemoração do Canada Day se origina da data, em 1867, na qual três colônias separadas do Império Britânico na América do Norte decidiram se unir – as províncias do Canadá, Nova Escócia e Novo Brunswick. Elas passaram a formar uma confederação unificada, que seria o Domínio do Canadá: um país praticamente independente, apesar de ainda ter sua política externa determinada pela coroa britânica.

Nas décadas seguintes, novos territórios se uniriam à confederação, até a incorporação de Alberta e Saskatchewan em 1905. A independência canadense foi fortalecida com o Estatuto de Westminster, em 1931, e consolidada com o Constitution Act, de 1982, que encerrou quaisquer elos legais que ainda uniam o país ao Reino Unido.

Foi a partir desse momento que o Primeiro de Julho passou a ser denominado Canada Day (ou Fête du Canada). A celebração passou a ganhar mais força a partir do centenário, em 1967 quando diversas iniciativas culturais passaram a integrar as comemorações.  Neste ano, em razão da pandemia do novo coronavírus, diversas municipalidades canadenses cancelaram as habituais queimas de fogos de artificio, optando por celebrações virtuais que permitam a manutenção das práticas de distanciamento social.

A CCBC sempre marca a data com uma programação especial de eventos que aproximem, ainda mais, os dois países. Em 2017, quando foi festejado o 150º aniversário do Domínio do Canadá, a entidade promoveu a segunda edição da sua já renomada Semana Gastronômica, apresentando à população brasileira pratos tipicamente canadenses, e a terceira versão da mostra de fotografia Olhares Cruzados: Imagens de Duas Culturas. O sucesso do Canada Day CCBC Online Festival confirma o compromisso da CCBC em celebrar e marcar os laços que unem os dois países.

 

Conheça também o
X