Busca OK
Site CCBC
Home
Edição nº 49
Edição nº 48
Edição nº 47
Edição nº 46
Edição nº 45
Edição nº 44
Edição nº 43
Edição nº 42
Edição nº 41
Edição nº 40
Edição nº 39
Edição nº 38
Edição nº 37
Edição nº 36
Edição nº 35
Edição nº 34
Edição nº 33
Edição nº 32
 · Editorial
 · Notas
 · Notícias
 · Matéria da Capa
 · Entrevista
 · Negócios
 · Arbitragem
 · Turismo
 · Educação
 · Artigo
Edição nº 31
Edição nº 30
Edição nº 29
Edição nº 28
Edição nº 27
Edição nº 26
Edição nº 25
Edição nº 24
Edição nº 23
Edição nº 22
Edição nº 21
Edição nº 20
Edição nº 19
Edição nº 18
Edição nº 17
Edição nº 16
Edição nº 15
Edição nº 14
Edição nº 13
Edição nº 12
Edição nº 11
Edição nº 10
Edição nº 09
Edição nº 08
Edição nº 07
  Edição nº 32

Artigo

Conhecendo-se

Uma verdadeira relação bilateral envolve muito mais do que apenas o comércio. Uma relação bilateral consolidada implica elementos de duas modalidades: elementos essenciais (por exemplo, acordos militares e de comércio propriamente ditos) e elementos “acessórios” (por exemplo, valores em comum, o diálogo, e uma visão compartilhada do mundo). Às vezes, os elementos mais difíceis de se negociar são os essenciais, mas os mais difíceis de se implantar são os “acessórios”. Nem sempre o diálogo é amigável, e pode haver diferenças entre a visão do mundo das partes como função de circunstâncias específicas. Consequentemente, cada parte deverá estar disposta a respeitar as diferenças e as semelhanças que as unem. Cada uma das partes deverá, às vezes, ser capaz de concordar em discordar, sem comprometer os elementos fundamentais que as unem.

Tenho trabalhado com diplomatas e executivos de empresas tanto do Canadá quanto do Brasil desde o início dos anos 1980, e realmente acredito que há muito que possa unir os dois países em uma profícua relação bilateral. Além disso, parece-me que não existe ocasião mais premente do que o momento atual para expandir ainda mais essa relação. Ao longo das últimas décadas, constatei que, até recentemente, nem o Canadá e nem o Brasil sabiam muita coisa um a respeito do outro. O verdadeiro potencial de uma relação bilateral era ofuscado, pelo menos em parte, pela relação de cada um dos dois países para com as economias dos Estados Unidos e da Europa. Setenta e cinco por cento do comércio do Canadá ocorria diretamente através da fronteira com os EUA. O Brasil não vislumbrava nenhuma vantagem em particular em obter acesso ao mercado dos EUA através do Canadá, se tinha a possibilidade de fazê-lo diretamente. Mas, ocorreu uma convergência de vários fatores, o que fez com que os dois países mudassem seus pontos de vista.

O primeiro foi o 11 de Setembro e a consequente “Lei do Patriota” (Patriot Act), que resultou em enormes dificuldades para brasileiros que buscavam entrar nos EUA para estudar, fazer negócios, ou simplesmente visitar o país. Um segundo fator foi a crise financeira de 2008, cujos efeitos ainda se fazem sentir. Outro foi o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) que facilitou o comércio entre os EUA, Canadá e México. No tocante ao primeiro, a simples obtenção de um visto para entrar nos EUA tornou-se cada vez mais difícil. Os brasileiros não demoraram em descobrir que o Canadá oferecia as mesmas vantagens em matéria de educação e acesso à tecnologia que os EUA. A crise financeira de 2008 colocou em evidência a eficiente gestão da macroeconomia canadense, que pouco sofreu com os efeitos da crise americana de financiamento imobiliário. O NAFTA revelou-se um excelente ponto de partida para o Canadá comerciar com os EUA sem precisar correr os riscos associados a investimentos diretos naquele país em meio a uma crise.

Além disso, o Canadá constitui interessante paradigma para a economia brasileira. Não obstante o Canadá gerar aproximadamente 35% de seu PIB com o comércio internacional, a exemplo do que também ocorre no Brasil, as commodities e os recursos minerais pesam consideravelmente no PIB canadense. A “ortodoxia” que prevalecia há muitos anos no Brasil era de que commodities e exportações de minérios eram típicas apenas de países “em desenvolvimento”. O Canadá derruba esse mito. Trata-se de uma economia desenvolvida, com elevado padrão de vida, que se beneficia da eficiente exploração de seus recursos naturais.

O Canadá também atua de forma marcante na economia global no contexto dos fatores “acessórios”. É membro do G-7 e desfruta de um nível de influência desproporcional ao seu tamanho. Sua classificação de risco de crédito é AAA. Compartilha dos valores e dos princípios democráticos de outras nações do Ocidente.

A atual dificuldade em crescer dos EUA e das economias desenvolvidas da União Europeia provavelmente se estenderá por algum tempo. Além disso, não há volta à condição anterior que caracterizava a economia global antes da crise de 2008 (veja minhas newsletters em www.criticalcorp.com.br). O mundo mudou e tornou-se mais pluralista. Tanto o Brasil quanto o Canadá têm muito a ganhar se construírem uma sólida relação bilateral. Então, vamos lá!

Tradução para português: BeKom Comunicação Internacional

*Jim Wygand, mestre em Economia pela Universidade de Wisconsin e diretor da CCBC

O Canadá é uma economia desenvolvida que se beneficia da exploração de seus recursos naturais

Brasil e Canadá têm muito a ganhar se construírem uma sólida relação


<< Anterior
 
 
  Rua do Rocio, 220 - 12º andar - cj. 121 - São Paulo - SP - Brasil - tel. +55 (11) 4058-0400  
Câmara de Comércio Brasil-Canadá - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução do conteúdo sem autorização.