Busca OK
Site CCBC
Home
Edição nº 50
Edição nº 49
Edição nº 48
Edição nº 47
Edição nº 46
Edição nº 45
Edição nº 44
Edição nº 43
Edição nº 42
Edição nº 41
Edição nº 40
Edição nº 39
Edição nº 38
Edição nº 37
Edição nº 36
Edição nº 35
Edição nº 34
Edição nº 33
Edição nº 32
Edição nº 31
Edição nº 30
 · Editorial
 · Notas
 · Notícias
 · Matéria da Capa
 · Turismo
 · Entrevista
 · Logística
 · Arbitragem
 · Saúde
 · Negócios
 · Artigo
Edição nº 29
Edição nº 28
Edição nº 27
Edição nº 26
Edição nº 25
Edição nº 24
Edição nº 23
Edição nº 22
Edição nº 21
Edição nº 20
Edição nº 19
Edição nº 18
Edição nº 17
Edição nº 16
Edição nº 15
Edição nº 14
Edição nº 13
Edição nº 12
Edição nº 11
Edição nº 10
Edição nº 09
Edição nº 08
Edição nº 07
  Edição nº 30

Matéria da Capa

Reserva de Investimentos

A meta de produzir 1 milhão de barris por dia do pré-sal até 2017, associada a novas descobertas na Bacia de Campos (RJ) e a investimentos de US$ 174 bilhões da Petrobras, consolida o Brasil como um mercado atrativo para empresas canadenses interessadas em parcerias e no desenvolvimento de soluções inovadoras

Em abril deste ano, a Petrobras fez sua primeira venda de petróleo do pré-sal para o exterior, comprometendo-se a entregar 1 milhão de barris do campo de Lula – considerado o primeiro supergigante do país, localizado na Bacia de Santos, em São Paulo –, para a estatal chilena Empresa Nacional de Petróleo (Enap). No mesmo mês, a companhia iniciou um teste de longa duração (TLD) em Brava, no pré-sal da Bacia de Campos (RJ), com a expectativa de conseguir uma produção diária equivalente a 6 mil barris. Para a indústria, as duas bacias, marcadas pelo início das operações comerciais e pela renovação de investimentos, respectivamente, se tornaram sinônimos de novas oportunidades para empresas nacionais e estrangeiras. Destas, as canadenses estão entre as mais preparadas para oferecer soluções, compartilhar tecnologias e iniciar parcerias de longa duração.

A experiência no setor tem origem na tradição em óleo e gás do Canadá. Em 2010, Newfoundland and Labrador, uma das regiões mais produtivas do país, aumentou em 3 milhões de unidades o total de barris, o que representou uma alta de 3,1% em relação a 2009. Parte deste resultado foi consequência de investimentos, feitos nos últimos anos, nas reservas de Hibernia e Terra Nova, responsáveis por cerca de 80% do óleo bruto retirado do solo pelas empresas operadoras.

“O grande potencial das descobertas do pré-sal na costa do Brasil, junto com o desenvolvimento contínuo das tradicionais áreas de offshore, gera oportunidades interessantes para companhias canadenses experientes nesse tipo de exploração e no fornecimento de produtos e serviços para grandes cadeias de produção”, aponta Véronik Levesque, coordenadora de Comunicação da Atlantic Canada Opportunities Agency (Acoa), entidade de promoção econômica do Canadá Atlântico.

Entre especialistas, empresários e representantes oficiais, a percepção é de que o mercado brasileiro tem um grande poder de atração de investidores. As medidas da Export Development Canada (EDC), como a realização de missões comerciais e a liberação de linhas de crédito, seguros e outros recursos financeiros de estímulo à exportação, demonstram isso. “Somente a Petrobras realiza compras anuais por valor de cerca de US$ 100 milhões de aproximadamente 50 companhias canadenses. O interesse é muito grande em fazer parte do grupo de parceiros da estatal”, afirma Jean Cardyn, vice-presidente da entidade no Brasil.

transferência de tecnologia – “Os estrangeiros querem participar do nosso mercado, sem necessariamente fabricar ou prestar serviços a partir do Brasil. A procura por informações, no nosso caso, aumentou cerca de 50% neste ano, em comparação com 2010. A maior parte desse interesse está relacionada com a exportação direta para o Brasil”, expõe Bruno Musso, superintendente da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip), que dá suporte para a realização de negócios. Para o executivo, a transferência de tecnologia e o aumento da capacidade instalada são os principais ganhos de um maior intercâmbio bilateral. “Quem chega e se une a um fornecedor da Petrobras, por exemplo, ganha tempo, e o setor assimila tecnologia. As vantagens são mútuas”, acrescenta.

Na Petrobras, as portas estão abertas para a colaboração estrangeira. Com inúmeros projetos sobre a mesa, a estatal, que deve investir US$ 174 bilhões até 2013, conciliará o desenvolvimento da indústria nacional com a participação de grupos do exterior em diversas etapas do pré-sal, considerado uma revolução: Marlim, Marlim Sul e Roncador (Bacia de Campos), principais perfurações no passado, com volumes recuperáveis entre 2,5 bilhões e 3 bilhões de barris, perdem destaque se comparadas a Lula e Cernambi (Bacia de Santos), com reservas estimadas em 6,5 bilhões e 1,8 bilhões de barris, respectivamente.

“A estratégia inicial foi de nos prepararmos para o pré-sal, e agora estamos na fase de desenvolvimento de projetos-piloto, como os de Lula, Lula Nordeste, Guará, Guará Norte e Cernambi Sul, para ganharmos escala no curto prazo. Até 2017, nosso objetivo é produzir cerca de 1 milhão de barris por dia no pré-sal”, explica José Luiz Marcusso, gerente geral da Unidade de Operações de Exploração e Produção na Bacia de Santos.

Para atingir essa meta, a estatal terá de encontrar quem tenha conhecimento técnico especializado para a construção de infraestruturas (e a logística envolvida), engenharia submarina, controle de temperaturas e pressão, desenvolvimento de plataformas com acesso direto às reservas, entre muitas outras demandas. “As parcerias reforçam o conteúdo nacional, tendo como base o ganho de competitividade internacional e a redução de custos”, detalha.

Em 2010, representantes do governo canadense e da Acoa visitaram a Petrobras e acompanharam executivos da empresa em missões comerciais no Canadá. Muitas das plataformas do país estão localizadas no solo, ao contrário da exploração marítima na costa atlântica. O potencial para futuras sinergias, neste caso, é real. “Diversas companhias canadenses orientadas para a exportação desenvolvem produtos e serviços especializados que integram cadeias mundiais de petróleo e gás. Como o Brasil tem planos ambiciosos de crescimento, a atuação em conjunto pode ser fundamental”, reforça Véronik.

soluções específicas – Com o setor aquecido, as parcerias aumentam. Para a SkyWave, fornecedora global de equipamentos de comunicação satelital e serviços de conexão, com sede em Ottawa (Ontário), elas podem ser um caminho para oportunidades. “Em 2010, participamos da feira Rio Oil & Gas em busca de parceiros e de conhecimento. O Brasil, que é um dos nossos principais mercados em outros setores, tem uma indústria enorme de petróleo e gás. Oferecemos tecnologia para que as empresas consigam monitorar, controlar ou rastrear ativos remotos em tempo real, como navios, geradores e oleodutos. Com o pré-sal, as perspectivas de novos negócios são ainda mais promissoras”, avalia Silvio Ostroscki, diretor de Vendas para a América Latina.

A forma de atuar no país e no mundo, explica o executivo, é buscar parceiros capazes de criar tecnologias específicas para as demandas locais. “Por isso, procuramos fornecedores de soluções para grandes grupos, como a Petrobras, que possam transformar a nossa tecnologia em produtos sob medida para as necessidades de seus clientes”, complementa. Diante das possibilidades, também empresas canadenses que ainda não se instalaram observam o país com curiosidade e se movimentam para descobrir por onde começar.

“Por muitos anos, percebemos o enorme potencial do Brasil para a nossa empresa. A dimensão e a complexidade técnica do desenvolvimento do pré-sal reforçam esse quadro”, observa Anthony Hall, CEO da Welaptega, especializada em tecnologias de captação de dados e segurança submarina. Os segmentos de maior interesse, neste caso, são os de construção em águas profundas e de inspeção, reparação e manutenção de atividades de instalações flutuantes de produção na Bacia de Campos. Com encontros marcados com executivos da Petrobras e alguns de seus fornecedores, Hall não tem dúvidas de que o Brasil e o Canadá têm muito a explorar para fortalecer o intercâmbio na área.

“Para isso, no entanto, é fundamental o acesso à informação, em especial no que diz respeito à criação de empresas subsidiárias. Para as pequenas e médias companhias, um conhecimento profundo das exigências legais, do sistema bancário e da manutenção de sociedades é crucial na fase inicial do negócio”, destaca.

distribuição de recursos
US$ 174 bilhões para petróleo e gás (de 2009 a 2013)
Exploração e produção - US$ 104,6 bilhões
Abastecimento - US$ 43,4 bilhões
Gás e energia - US$ 13 bilhões
Petroquímica - US$ 4,4 bilhões
Distribuição - US$ 3 bilhões
Biocombustíveis - US$ 2,8 bilhões
Corporativo - US$ 3,2 bilhões

Fonte: Petrobras

Produção adicional
As novas descobertas na Bacia de Campos, no Rio de Janeiro, aumentam as oportunidades de investimentos estrangeiros e de parcerias entre brasileiros e canadenses. Nos últimos dois anos, a Petrobras encontrou novas reservas que, juntas, somam cerca de 2 bilhões de barris. A previsão é de que os achados financiem parte dos projetos de exploração do pré-sal da Bacia de Santos (SP):

Bacia de Campos
Poços em operação - 775
Poços produtores - 591
Plataformas fixas - 14
Participação total de reservas - 10%

Estratégia para o pré-sal
Ampliar a capacidade produtiva de setores altamente competitivos;
Desenvolver concorrência em setores de média competição;
Incentivar novos entrantes nacionais;
Incentivar a associação entre companhias nacionais e internacionais;
Incentivar a instalação de empresas internacionais no Brasil.


<< Anterior Próxima >>
 
 
 
  Rua do Rocio, 220 - 12º andar - cj. 121 - São Paulo - SP - Brasil - tel. +55 (11) 4058-0400  
Câmara de Comércio Brasil-Canadá - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução do conteúdo sem autorização.